Blog
Coronavírus e veganismo: tem a ver?

Coronavírus e veganismo: tem a ver?

Em meio a pandemia mundial do coronavírus (COVID-19) e suas causas, o veganismo volta a ser debate sobre a possibilidade de prevenir e de aumentar imunidade, assim como os cuidados especiais entre veganos

Não temos como deixar de falar sobre a pandemia que o mundo vive por causa do coronavírus (COVID-19), principalmente porque, assim como as últimas doenças que mais preocuparam o mundo nos últimos anos, o vírus tem sua origem no consumo de carne.

Coronavírus e o consumo de carne

Antes de qualquer coisa, precisamos ressaltar que o coronavírus NÃO é transmitido de animais para humanos pelo convívio e contato. Então, não, seus animais de estimação não podem transmitir para você.

Dito isso, vamos aos fatos: no site da organização mundial Pessoas para o Tratamento Ético dos Animais (PETA na sigla inglesa) foi montada uma linha do tempo sobre as principais doenças que abalaram o mundo nos últimos tempos – ebola, gripe suína, gripe aviária, doença da vaca louca, SARS – e sua relação com o consumo de carne. Segundo a publicação e outros estudos (como no episódio “Pandemia” da série Explicando na Netflix), pelo menos 60% das infecções conhecidas em humanos são transmitidas por outros animais.

Apesar de muitas pessoas fecharem os olhos para toda a cadeia de criação, transporte e abate de bichos, alguns escândalos quanto à indústria da agropecuária e carnes contaminadas e/ou contendo outras substâncias como hormônios, químicos e até papelão, fizeram mais e mais pessoas buscarem alternativas – e muitas delas se depararam com o veganismo.

O veganismo é a solução para as pandemias?

Em um mundo repleto de micro-organismos, seria utópico afirmar que o veganismo acabaria com todas as doenças do mundo. Porém é inegável que o risco de exposição a doenças diminui consideravelmente com uma dieta à base de plantas.

“Ah, mas e os agrotóxicos?”, alguns vão perguntar. E para isso é importante lembrar que o agronegócio produz 79% dos grãos para virar ração animal, e o restante é voltado para consumo. Talvez por isso, no início dos anos 2000, quando os transgênicos surgiram e estes questionamentos não eram feitos por tantas pessoas como hoje, muita gente não deu importância para a questão e se encantou com o discurso que prometia acabar com a fome no mundo – Spoiler: estamos em 2020 e as pessoas estão brigando por produtos no mercado.

Fato é que ainda que você não consiga ter uma alimentação 100% orgânica, mas completamente vegana, ela já é mais saudável do que uma dieta onívora.

veganos tem imunidade alta
Pixabay

Veganismo aumenta a imunidade?

Muita gente também pensa que veganismo é sinônimo de alimentação saudável, logo, de melhor imunidade. Entretanto, e principalmente frente a pandemia que vivemos, isso é um erro, e diversos embutidos veganos no mercado podem comprovar isso através da sua tabela nutricional.

Powered by Rock Convert

Talvez muitos de nós tenhamos mais consciência corporal (ou só ficamos de saco cheio das pessoas perguntando “e as proteínas? E a b12?”) e por isso vamos atrás de suplementação adequada para o nosso organismo – algo que todos, independente do estilo de vida, deveriam fazer – e, assim, possuímos uma imunidade melhor.

Mas isso não quer dizer que temos o corpo fechado para todas as doenças, como é o caso do coronavírus. Então, mais do que nunca, é tempo de:

Manter uma dieta equilibrada

Invista em frutas, legumes e vegetais, devidamente higienizados (sugestão: colocar em uma bacia com um litro de água e uma colher de sopa de água sanitária, e deixar por uma hora). Quanto mais próxima do natural a comida, mais nutrientes para o seu corpo.

Exercitar-se: Sim, dentro de casa mesmo! Existem diversos canais no YouTube com os mais variados treinos e coreografias para praticar em casa. Muitos atletas veganos também estão postando seus treinos pessoais para que os seguidores das mídias sociais possam acompanhar e praticar.

Higienizar bem as mãos: Lave bem as mãos até a altura dos punhos com água e sabão e/ou utilize álcool gel 70 com frequência.

Evitar encostar no próprio rosto: As mucosas dos olhos, nariz e boca são mais sensíveis e transportam o vírus de maneira mais rápida para a corrente sanguínea.

Cobrir o nariz e a boca com a dobra do cotovelo ao tossir ou espirrar: Assim você mantém as próprias mãos e outras pessoas protegidas.

Ficar em casa: Você pode transportar o vírus de fora para dentro da sua casa e vice-versa. Mesmo que você não tenha nenhum sintoma, talvez quem está próximo de você venha a manifestar o coronavírus. Cuidar de si mesmo é cuidar dos outros

Links úteis:
Peta
G1 Globo
Época negócios


Luciana Teixeira Morais é jornalista, escritora, doula, bacharel em direito, mãe do Bento e vegana desde 2013.


6 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.