Blog
Descarte de obras: o que fazer com os resíduos? Como diminuir esse impacto?

Descarte de obras: o que fazer com os resíduos? Como diminuir esse impacto?

Colocar a mão na massa e acompanhar de perto uma reforma também nos dá a chance de conhecer todas as etapas de uma pequena obra, inclusive a final, não menos importante, e talvez a mais assustadora: o descarte dos resíduos.

Muita gente aproveitou a quarentena para reformar a casa. Isso porque houve um pouco mais de tempo para dedicar a esse objetivo, mas também por perceber a necessidade de tornar nossos espaços mais agradáveis e funcionais.

Apesar de ser uma oportunidade de diversão, colocar a mão na massa e acompanhar de perto uma reforma também nos dá a chance de conhecer todas as etapas de uma pequena obra, inclusive a final, não menos importante, e talvez a mais assustadora: o descarte dos resíduos.

Antes da compra

O descarte adequado é importantíssimo, mas, antes, é importante comentar da forma mais eficaz de driblar a poluição: eliminar ou reduzir a geração dos resíduos.

1. Observação

Antes de tudo, para reduzir o impacto dos resíduos, ainda na hora da compra, é interessante observar a composição dos materiais e fugir dos componentes quimicamente agressivos, como os COV’s (compostos orgânicos voláteis) e metais pesados.

Esse cuidado beneficia não só à natureza no momento do rejeito, como também ao ser humano, enquanto instalador e/ou usuário dos ambientes onde estarão aplicados.

2. Cálculo

A fim de evitar refugo de materiais, planejar e fazer um quantitativo de cada um deles é fundamental. Assim, podemos comprar a porção a ser de fato utilizada, considerando apenas uma pequena margem de segurança, que não precisa exceder 30% do montante aplicado.

– Alvenaria e revestimentos

No caso de alvenaria ou revestimentos, como as cerâmicas, porcelanatos e papéis de parede, basta prever a área a ser construída ou revestida e verificar, pelo tamanho dos blocos ou peças de revestimento, os recortes a serem feitos para aproveitar melhor o material.

Powered by Rock Convert

– Pinturas

Quanto às pinturas, é importante consultar a embalagem para saber a cobertura sugerida pelo fabricante. Ele mesmo deve avisar das possíveis diluições e a área de cobertura, proporcional a determinado volume de tinta. Da mesma forma, a margem de segurança pode ser mínima, somente para garantir pequenos retoques após a finalização da obra.

Freepik

Excedente

E as sobrinhas inevitáveis, como os entulhos ou tintas guardadas que passaram da validade? Sim, algum resto, infelizmente, há de existir, e deve ser descartado corretamente.

1. Caçamba

O primeiro passo do descarte correto é contratar o aluguel de uma caçamba estacionária, ou container para acumular o resíduo de sua obra. Depositar o lixo diretamente em via pública é ilegal, ficando sujeito a punição municipal de multa e até mesmo a pena de reclusão; já se deixar o entulho dentro da obra, pode-se prejudicar o desempenho da mesma e comprometer a estrutura do edifício construído.

2. Reciclagem

Fiações que foram trocadas, tubulações antigas, metais sanitários… Esses materiais são recicláveis e podem ter o mesmo fim que os resíduos que já estamos acostumados a separar para a coleta: as cooperativas de reciclagem.

3. Doação

Já o excedente de cimento cru, gesso, argamassa de rejunte ou peças em bom estado podem ser doadas. É só perguntar a alguém da comunidade ou ONGS da sua cidade que possam aproveitar esses insumos. Alguns fabricantes também fazem política reversa, ou seja, recebem o material de volta e se responsabilizam por reintegrá-lo ao processo produtivo ou descartá-lo sem risco. Priorizar as marcas que têm essa política é uma forma de apoiá-las.

4. Empresas terceirizadas

Quando houver entulhos ou ficarem ainda sobras gerais não aproveitadas, é obrigatória a contratação de uma empresa especializada e certificada para destinação adequada do volume sobrante. Ela coleta e leva os resíduos apenas para aterros regulamentados pela prefeitura local e deve ser capaz de entregar os documentos de regulamentação emitidos por ela mesma, enquanto transportadora e pela receptora dos rejeitos atestando a destinação final adequada.


Gostou das dicas? Aproveite e leia sobre como decorar gastando pouco!


Aneli Dias Borges-Garcez é parte integrante da natureza, arquiteta, especialista em Arquitetura Sustentável. Acredita na arquitetura e no design como ferramentas para promover qualidade de vida, saúde, produtividade e bem-estar. Siga no Instagram @aneliborgesgarcez.arq


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.